Tenente é demitido do MEC. Porque isso é ÓTIMO para o movimento conservador?

 

A luta contra a Esquerda

O Brasil está, o mundo está em guerra ideológica. Nas últimas décadas, a humanidade assistiu calada a ascensão do pensamento esquerdista e a tomada do poder por seus representantes. Inicialmente, eles posavam como “liberais”, “humanistas”, “progressistas”, mas tomou muito tempo para que todos pudessem constatar as reais intenções, bem como o resultado desse comportamento: crimes em escalada, menores de idade se sentindo livres para matar, desrespeito, ataques ao direito de divergir e pensar diferente, imposição do “politicamente correto” (ditadura do pensamento único), destruição da democracia, centralização do poder, engessamento da economia e, acima de tudo, corrupção desenfreada.

Foram necessárias muitas vozes para romper a repressão dos “donos da verdade”, que àquelas altura já eram os “donos da mídia” (por meio de bilhões gastos em publicidade) até que, hoje, a direita finalmente está conseguindo combater o esquerdismo, ainda que sejamos esfaqueados, apedrejados, agredidos e, agora, censurados pelo aparato do Estado.

 

Uma guerra necessária

Hoje, atitudes “impensáveis” alguns anos atrás tem se tornado possíveis, como o simples ato de poder dizer “sou direita”, “sou conservador” ou “sou a favor da meritocracia e do capitalismo”. Ano atrás, a simples sugestão de tais coisas nos traria consequências, que iriam desde o deboche e a censura, até a segregação no ambiente social ou de trabalho.

Foi preciso que todos vissem o LIXO e ESGOTO DE CORRUPÇÃO que a esquerda é, para que os tolos úteis, incapazes de pensamento crítico, se dessem conta do que realmente a esquerda representa.

Mas, a reação daqueles que tem BILHÕES em contas na Suíça, já era esperada. Não apenas Bolsonaro, mas Trump e todo e qualquer líder de Direita tem sido bombardeado pela mídia, também corrupta, que continua sendo “regada” com dinheiro que foi roubado pelos esquerdistas. Eles jamais iriam aceitar a derrota, jamais deixarão de buscar o poder absoluto, como ocorreu na Venezuela. Era de se esperar.

Por isso a guerra ideológica, está apenas começando. Se eles jamais desistirão de sua busca por poder total, nós jamais aceitaremos voltar a ver nosso país destruído pela ideologia esquerdista/socialista.

 

Os “isentões”

É nesse cenário que comemoro a exoneração dos “isentões” do MEC e de todo e qualquer órgão ligado à educação e cultura. Pois, quando a sua Pátria é invadida pelo exército inimigo, aqueles que se declaram “neutros” e se recusam a ir à guerra, na realidade ajudam os inimigos. Pois, de nada adianta se ter um quadro altamente “técnico”, mas completamente alienado, despreparado para compreender o cenário de guerra ideológica que vivemos.

O fato é que durante DÉCADAS, a educação e cultura propagaram a visão da esquerda. Mas a direita venceu, e tem o DIREITO e o DEVER de, agora, fazer mudanças, pois é a representação da maioria da população que exigiu uma mudança. 

Assim, faço votos que as alterações nos quadros do MEC continuem e que sejam selecionadas pessoas que tenham, acima de tudo, capacidade de compreender o grave momento histórico em que vivemos, para que este país saia do atoleiro moral do esquerdismo, e nossa juventude possa finalmente ter educação e cultura, com qualidade.

 

 


 

IRAN PORÃ MOREIRA NECHO (15/11/1970), é advogado formado na Universidade Mackenzie, com extensão em Samford-EUA, atuou como advogado interventor em Liquidações Extrajudiciais pelo Banco Central, foi membro do Tribunal de Ética do OAB/SP (acusação), foi membro do  Comissão de Defesa do Consumidor da OAB/SP, sócio no escritório de advocacia Moreira Necho e Santos Couto Advogados, presidente do IBRIM – Instituto Brasileiro Imobiliário e fundador do Movimento Direita Livre, em 2013.

 


 

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK: