Guerra à vista: Comandante da Aeronáutica recebe Comandante dos EUA

O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, e o Comandante do SOUTHCOM dos Estados Unidos, Almirante Craig Stephen Faller

 

O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, recebeu, nesta segunda-feira (11), em Brasília (DF), a visita do Comandante do Comando do Sul dos Estados Unidos (SOUTHCOM), Almirante Craig Stephen Faller. O objetivo foi estreitar as relações entre os dois países.

 

“É muito importante essa visita para estarmos cada vez mais próximos e compartilharmos experiências nos assuntos comuns afetos aos dois países que são parceiros em diversas atividades”, destacou o Tenente-Brigadeiro Bermudez.

 

O Brasil e os Estados Unidos já realizam diversas ações em comum na defesa, em áreas específicas como pesquisa e desenvolvimento, intercâmbio de informações, treinamento e educação, exercícios militares conjuntos e iniciativas comerciais relacionadas a questões de defesa.

 

 

Áreas de atuação de cada comando militar americano

A Academia da Força Aérea (AFA), por exemplo, recebe cadetes da Academia da Força Aérea dos Estados Unidos e cadetes brasileiros também estudam no país norte-americano. Além disso, são diversos os exercícios realizados em cooperação mútua, como a Cruzex, um exercício operacional realizado pela Força Aérea Brasileira (FAB), com a participação de diversos países. Este ano, inclusive, está prevista a ida de dois oficiais brasileiros ao Afeganistão para atuar com os americanos.

Após a reunião, a comitiva visitou o Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), que é o comando operacional conjunto, permanentemente ativado, responsável pelo planejamento, coordenação, execução e controle das operações aeroespaciais, tanto recorrentes quanto eventuais. Abarca as atividades de defesa aérea e antiaérea, conjugando ainda as ações de emprego de transporte aéreo-logístico, a busca e salvamento e a patrulha marítima, além das operações conjuntas determinadas pelo Ministério da Defesa.

O Almirante Faller, da Marinha dos EUA, assumiu o comando do SOUTHCOM em 26 de novembro de 2018 e é responsável por toda a cooperação de segurança do Departamento de Defesa nas 45 nações e territórios da América Central e do Sul e do Mar do Caribe.

FONTE: Força Aérea Brasileira

NOTA: Parece-nos que os tambores da guerra começaram a rufar. Os EUA tem DOADO grande quantidade de material militar para o Brasil nos últimos anos e, agora com o ultimato de Trump a Maduro, esse “estreitamento de relações” parece ter endereço certo.

Com base nisso, a esquerda apoiadora de Maduro já se manifesta em desespero, pressentindo quais serão os próximos “lances” no tabuleiro de xadrez do poder militar (e da possível guerra) na região.

Ao mesmo tempo, os EUA estão enviando grande quantidade de reforços para a Colômbia, pais fronteiriço com a Venezuela, como se pode observar no vídeo recente abaixo. 

 

 

Um General Brasileiro, comandando americanos

general-de-brigada Alcides Valeriano de Faria Júnior
general-de-brigada Alcides Valeriano de Faria Júnior

Em um movimento correlato, pela primeira vez na história, um general brasileiro será encarregado direto de operações militares americanas. Como se pode observar na matéria aqui, o general-de-brigada Alcides Valeriano de Faria Júnior, será subcomandante de interoperabilidade do Comando Sul do Exército Norte-Americano (SOUTHCOM), responsável por ajudar a comunicação entre as Forças Armadas dos Estados Unidos e as forças armadas da região.

Ou seja, em caso de guerra contra a Venezuela, será ele quem fará toda a comunicação entre o exército americano e as demais forças armadas da região.

É preciso lembrar que nosso exército já lutou lado a lado dos americanos, como foi na segunda guerra mundial. Mas ter um general nosso em posição de comando de toda a Força Sul dos Estados Unidos, isso é inédito.

O movimento gerou fortes protestos por parte do PT, em especial de Lindberg Farias, que antecipou que isso seria uma forma de os exércitos americano e brasileiros estarem trabalhando juntos, em eventual ataque a Maduro.

O cerco está se fechando, e o relógio correndo contra Maduro.

Veja o ataque de Lindberg Farias:

Engraçado que para o esquerdista acima, o trabalho conjunto do Brasil com a maior potência do mundo (com um general nosso mandando por lá…) é “subserviência”. E quando as FARC atacavam e matavam soldados brasileiros? E quando o BNDES mandava nosso dinheiro para ditadores comunas do mundo inteiro? Aí tudo bem? Esquerdistas, sendo esquerdistas…

 


 

IRAN PORÃ MOREIRA NECHO (15/11/1970), é advogado formado na Universidade Mackenzie, com extensão em Samford-EUA, atuou como advogado interventor em Liquidações Extrajudiciais pelo Banco Central, foi membro do Tribunal de Ética do OAB/SP (acusação), foi membro do  Comissão de Defesa do Consumidor da OAB/SP, é presidente do IBRIM – Instituto Brasileiro Imobiliário e fundador do Movimento Direita Livre, em 2013.

 


 

 

 

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK: