irony

 

“O que vou dizer ao Aécio é que na visão da bancada não tem mais o que aguardar. A Câmara é quem decide sobre a abertura do impeachment, então o protagonismo tem que ser da bancada da Câmara. Ela tem que tomar uma decisão e a decisão já foi tomada: o impeachment é cabível e não temos que aguardar mais nenhum parecer.”

A declaração foi de Carlos Sampaio, líder do PSDB na Câmara, à Folha de S. Paulo.

 

A questão que não nos deixa de martelar a mente é: Até que ponto isso não é um jogo de cena? Ou combinação entre amigos?

E a dúvida parece-nos razoável de ser levantada. Talvez não para tucanos e putanos. Mas para os patrioatas RE-AL-MEN-TE engajados na limpeza dos comunas-mor do poder, a dúvida é assaz razoável.

E se algum petista estiver a ler, não, não estou a pretender assar quem quer que seja. Ao menos não por ora (… e também não quis dizer que assaria um por hora… Faz assim, pede para alguém te explicar…).

Mas analisemos as minhas Siphonapteras por trás de meus pavilhões auditivos…

 

Ora, logo após:

  • os caciques bicudos terem se posto amigavelmente ao lado dessa que é a corja responsável pela maior batida de carteira estatal da história;
  • o incrível homens das Neves, se pôr, outra vez, pusilânime quanto: a) ao Impeachment, b) ir às ruas apoiar o povo e c) decidir qual a cor branca do cavalo de Napoleão;
  • o picolé de xuxu ter derretido a sua reputação dizendo que não veria “razão para isso’…

 

Então aparece o jovem Carlos, que não canta mas berra, afirmar que irá propor a medida tão almejada e mal mijada.

Mas quais as reais possibilidades de se levar isso a bom termo?

Pois, HOUVESSE MESMO a intenção de se propor para vencer, e não para tupiniquim ver, a primeira coisa a ser feita seria uma coalizão.

E seria algo terrível de se conseguir, dentro do PSDB. Eis que o traseiro dos tucanos passou tantos anos em cima do muro que transformou-se em fundação. E deve ser difícil arrancar um cú cimentado 10 palmos abaixo do chão.

Mas, vencidos os Kuduros (que me perdoem os Angolanos), nos resta é aguardar, descrentes, em mais esta cena no palco brasiliense.

Que os panos revelem uma peça decente. Ou o teatro inteiro irá abaixo. E em breve.

Iran P. Moreira Necho
(sentido-se com vontades humorísticas. Melhor que mandar à merda, não?)